sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Água oxigenada para a performance desportiva?


Recebi um e-mail que me perguntava qual a verdadeira eficácia de ingerir água oxigenada. Sim leu bem… Aquela mesma água oxigenada (H2O2) que se compra na farmácia com o intuito de desinfectar feridas e que hoje em dia os profissionais de saúde utilizam, quase exclusivamente, para retirar manchas de sangue. Há quem afirme que este é um dos segredos de alguns preparadores “de topo” (parece que se adicionam umas gotas de água oxigenada 3% m/m à água normal)... Se pesquisássemos a literatura científica o que encontraríamos?


Bom antes de mais Feliz Natal a todos! Este pequeno post é uma resposta ao desafio que me foi lançado, “será que és maluco o suficiente para pesquisar sobre este assunto?”. Sem dúvida! Nada em ciência é “estupido”. Todas as hipóteses devem ser testadas já que a ciência não se deve deixar “comprar” pelo dogma. Em relação à minha maluqueira… Bom… posso dizer com um p < 0,0000000001 que é quase de certeza ilimitada. Entrando no assunto propriamente dito…

Esta água oxigenada, que ate chega a ser vendida como Vitamina O (imagine-se!) afirma conter cerca de 30 vezes mais O2 (se quisesse ser nerd dizia dioxigénio) que a típica água da torneira e assim melhorar a vitalidade, saúde e desempenho desportivo. Uma das afirmações dos fabricantes desta “água especial” resume-se ao facto da concentração O2 ambiental já ter sido no passado de cerca de 38% e que actualmente é de 21%, como tal temos um défice de oxigénio de quase metade e isto prejudica a nossa saúde. Tudo bem, só que estes níveis acima de 30% só se verificaram há cerca de 300 milhões de anos. Os nossos antepassados surgiram há aproximadamente 5 milhões de anos ou então na melhor das hipóteses, 7 milhões de anos. Os níveis de oxigénio nesta altura eram praticamente idênticos aos da actualidade.

Será que esta água oxigenada quando ingerida por via oral garante um maior aporte de O2 sanguíneo? Ou estamos apenas a tentar “branquear” as células parietais e os enterócitos? Se fosse possível aumentar o O2 circulante isso seria benéfico? Outra questão é a “suplementação recomendada” desta água que vai variando de meia dúzia de gotas a meio litro…

Por esta altura pensam, onde está a ciência? Nem faz sentido estudar esta “coisa”. Bom esta “coisa” já foi estudada e publicada na literatura científica. Em condições de normóxia (concentrações normais de oxigénio) a ingestão de água oxigenada antes do exercício não mostrou qualquer efeito nos níveis de VO2max tanto em atletas recreativos como em atletas de nível intermédio (1–3). Um destes artigos até levou o conceituado Prof. Maurice Arnaud a escrever um comentário para a revista em questão, enfatizando a segurança da ingestão deste tipo de água (4). A ingestão aguda deste tipo de produtos também não parece aumentar a utilização de O2 durante um teste em cicloergómetro em intensidade submáxima (5).

Mais interessante ainda parece ser o facto dos produtos quando testados, apesar de apresentarem concentrações de O2 superiores à água da torneira, não atingirem os níveis declarados no rótulo (1,2). Provavelmente estão a pensar… ah e tal… e em condições de hipoxia (menor concentração de O2) algo que acontece por vezes nos montanhistas? Bom… também não. Wing-Gaia et al. testaram precisamente isso, novamente em cicloergómetro (contra-relógio) em condições de hipóxia, não encontrando qualquer benefício na performance em relação à utilização desta água “mágica” (6)

Apesar do O2 ter um papel inegável em termos do desempenho muscular em vários desportos, a utilização da água oxigenada não parece oferecer benefícios adicionais ao oxigénio fornecido pelo sistema respiratório e circulatório. Quem quiser saber um pouco mais sobre o assunto, recomendo esta excelente revisão de Piantadosi (7). Para já recomendo que mantenham a água oxigenada longe dos sonhos, aletria, arroz-doce… não me parece que seja benéfica para o vosso treino pós-Natal.





Cumprimentos,

Filipe Teixeira
Director Of Nutrition-Tudor Bompa Institute International
The Tudor Bompa Institute, Portugal
Direcção Técnica-Body Temple, Lda


As opiniões aqui contidas apenas reflectem a opinião do autor e não necessáriamente da empresa Body Temple Lda/Tudor Bompa Institute. Consulte sempre o seu médico ou profissional de saúde antes de enveredar por qualquer suplemento, plano alimentar ou tratamento




Referências:

1.          Hampson NB, Pollock NW, Piantadosi CA. Oxygenated water and athletic performance. JAMA. 2003 Nov 12;290(18):2408–9.

2.           Leibetseder V, Strauss-Blasche G, Marktl W, Ekmekcioglu C. Does oxygenated water support aerobic performance and lactate kinetics? Int J Sports Med. 2006 Mar;27(3):232–5.

3.           Wilmert N, Porcari J, Foster C, Doberstien S, Brice G. THE EFFECTS OF OXYGENATED WATER ON EXERCISE PHYSIOLOGY DURING INCREMENTAL EXERCISE AND RECOVERY. J Exerc Physiol [Internet]. 2002;5:16–21. Available from: https://www.asep.org/asep/asep/Porcari.pdf

4.           Arnaud MJ. Does oxygenated water support aerobic performance and lactate kinetics? Int J Sports Med. 2006 Sep;27(9):759; author reply 760.

5.           McNaughton LR, Kenney S, Siegler J, Midgley AW, Lovell RJ, Bentley DJ. The effect of superoxygenated water on blood gases, lactate, and aerobic cycling performance. Int J Sports Physiol Perform. 2007 Dec;2(4):377–85.

6.           Wing-Gaia SL, Subudhi AW, Askew EW. Effects of purified oxygenated water on exercise performance during acute hypoxic exposure. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2005 Dec;15(6):680–8.


7.           Piantadosi CA. “Oxygenated” water and athletic performance. Br J Sports Med. 2006 Sep;40(9):740–1; discussion 740–1.

Sem comentários:

Enviar um comentário